Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

segunda-feira, dezembro 14, 2009

nota: momento

Momentum, leu, em itálico, no frontispício granítico do grande edifício. O efeito foi no entanto exactamente o contrário ao esperado. O pé estancou no ar que continuou, levado pela sua animação Newtoniana natural (a dinâmica das festas moleculares não se condói com a intervenção de qualquer polícia convocado pelos vizinhos após as dez da noite), alegremente seguindo escada acima antes de se desfazer, encaracolando-se invisivelmente na confusão de se sentir desacompanhado. Mas voltando ao nosso homem, subitamente parado pela singela invocação da quantidade de movimento perdida no pensamento súbito "mas que diabo querem com isto?": inesperadamente, por trás, da forma completamente desinteressada, alguém alavancou aquela imobilidade com a sua pressa própria, perdendo um pouco de velocidade, mas metendo o objecto da nossa atenção de novo em movimento escada acima, directamente dentro do jornal matutino de outro distinto cavalheiro que, sem perder a fleuma, o saudou com um "Bom dia Doutor, acho que ler a esta distância lhe vai dar cabo dos olhos, não?"