Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

quarta-feira, abril 30, 2008

nota: o braço da besta


o braço da besta após a destruição
Originally uploaded by rreis

o braço distendido, inerte, enquanto a noite se põe, trai o suor sob a forma do visco âmbar que impele os músculos metálicos e cromados. O punho descansa então por terra, após um dia de alegre destruição, insensibilidade garota ao delicado trabalho do génio humano.

Destrói-se a memória hoje que os filhos procuram amanhã.