Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

segunda-feira, outubro 16, 2006

nota: justiça cega

do alto do púlpito corre uma aragem insinuante que ao chegar ao solo adquire contornos malva e um cheiro de círio velho a arder. snif, snif, diz o rato, nesta casa já não se come. a debanda começou de imediato mas o homem do fisco tinha sido mais rápido. "com que então..." disse, ao entrar. o velho coçado, ainda empoleirado na vigia exortativa a um vasto público de fantasmas não teve tempo de replicar antes da trave do tecto cair de iniciativa própria sobre o representante do despacho ministerial.