Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

sexta-feira, junho 30, 2006

palavra: tamborilar

o autómato mecânico sofria de um sincronismo crónico com os ataques de epilepsia de um cidadão anónimo do lado Norte da cidade. esta sincronização aconteceu por um acidente pouco usual mas de mais latas consequências (o rádio da minha vizinha, por exemplo, agora só apanha comunicados em cirilico): todos se recordam concerteza da pequena tempestade eléctrica de Janeiro de 62. adiante... vinha eu a dizer do autómato... quando o cidadão anónimo tem um ataque, os dedos metálicos põem-se a tamborilar assincopadamente contra o vidro do expositor, sabotando a valsa do guarda-nocturno que faz avanços à empregada da limpeza. eu sei disto porque mandei lá o meu gato ir buscar um cacharolete na passada sexta-feira.

terça-feira, junho 27, 2006

nota: azeite

deixou o fio correr do gargalo, desenhando uma fina filigrana sobre as batatas e lentamente criando um lago artificial no prato. quando achou que chegava, esmagou os tubercúlos com as cebolas e rapou tudo a nacos de broa.

segunda-feira, junho 26, 2006

nota: previsão meteorológica

olhou o desenrolar das nuvens através da janela e pensou "vem aí peixeirada". 10 minutos mais tarde caíram duas varinas na rua de baixo e o vizinho do terceiro esquerdo, menos atento a estas coisas do céu, regressou a casa surdo com os gritos. aí pensou, "ainda bem que liguei o rádio"

nota: faísca

a rotação constante da turbina move o veio do dinamo, transformando o calor da fornalha no liquido energético azul que corre pelos tubos de distribuição. os operários da fábrica de electricidade reconhecíam-se por aquele tom de azul puro que lhes rodeava os cabelos, sempre ouriçados da carga constante de estática que transportavam.
[Apontamento ] Museu da Electricidade

sexta-feira, junho 23, 2006

nota: Black Is The Color Of My True Love's Hair

yes, it is.
(at least when she let's)

quarta-feira, junho 14, 2006

nota: alva

A tela branca debruçava-se sobre a cama, salpicada num risco solto e solitário, janela metafórica a uma gigantesca estepe manteada de neve (sob ela dormiam os dois, aconchegados a uma pele de urso oferecida por um shaman da Sibéria).

segunda-feira, junho 12, 2006

nota: inchaço

"a mineração realizada pelas brocas de alta precisão fragmentou o pedaço de minério, deixando uma cavidade aberta no veio e provocando de imediato um aumento de volume na zona atingida. jactos de alta pressão a baixas temperaturas foram canalizados para a zona de influência. esperam-se ainda os relatórios das equipas no local mas esperamos voltar à operação normal em breve."
nota da administração aquando do Incidente

segunda-feira, junho 05, 2006

nota: movimento em três actos

um desceu a enxada, cortando a terra seca e arrastando-a para cima e para trás, num movimento sacudido. e de novo o metal mergulhou, cindindo novo torrão, ritmado e solitário trabalho banhado no suor arrancado pelo sol, única companhia da tarde. arrumou a trouxa no raiar do astro rei e desceu ao povoado, pequeno e abandonado agrupamento de granitos humanos.

dois os engenheiros vieram, rasgando a terra sobre o papel a traços de grafite, tendo atrás de si a mole informe do rugido das máquinas e dos homens. abriram a serra a dinamite, resultado da fraca força exercida pelos administradores da capital na ponta mais distante da alavanca.

três num jardim de hospital um rapaz segue um mapa. a agulha magnética oscila hesitante, falhando o norte. sofre de problemas de memória e identidade tendo sido atropelado pelo movimento constante da humanidade.

epílogo no dia seguinte, ao correr da manhã, o sacho corre os regos, guiando a água e o tumulto sujo da lama, pequena multidão de gotas, lambe e embebe-se na terra.