Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

sábado, abril 30, 2005

nota: jardins

Depois dos pasteis, indo ao fundo da rua mas não atravessando, suba-se à direita até ao portão. Nas costas da moradia do rei dos republicanos (uma espécie de história do macaco Simão, mas sem o pedigree dos pergaminhos de nascença), fica o Jardim Agrícola Tropical. Depois de franquear a entrada e trocar os cobres pelo rectângulo de acesso (em polpa seca e amassada mas devidamente tipografada em série) é mergulhar nas áleas, escoltado pelas palmeiras de grande porte ou ver essas árvores que se ancoram no chão, deitando raízes dos seus braços curvos. Excelente sítio para passear o chapéu colonial...

sábado, abril 23, 2005

aforismo: pressa

a pressa é amiga da natalidade

nota: escaravelho

dez anos decorreram até que surpreende-se de novo um escaravelho das batatas aos pés. as riscas corriam longitudinalmente sobre o amarelo palha das asas enquanto calmamente deslizava sobre o passeio. o encontro pôs-lhe um sorriso nos lábios, uma mensagem em código a ser descodificada pela pequena irmandade.

quarta-feira, abril 20, 2005

nota: sapinho

froggy girl went shopping
bla, bla, bla
down to town she went
hoping, hoping
bought a red skirt, she did,
hip, hip, hip

tralálálá!!!

terça-feira, abril 19, 2005

postal: C.S., 05

Caro K.:

Fomos, como tinha avisado, até C.S., fazer uma demonstração da nobre arte arqueira. O acolhimento foi o da chuva miudinha e do calor humano. Assim, debaixo de água lá disparamos quatro flechas que piscaram o olho ao alvo sem o aflorar. As reacções foram diversas mas creio termos suscitado, entre as gentes da serra, alguma curiosidade sobre esta nossa coisa que vêm do outro lado do mundo. Depois tivemos direito a queijo fresco e queijo da serra, broa do sítio e coscurões com mel. Resumindo, respira-se bem lá em cima.
1 abraço,
J.N.

[Apontamento] Chão Sobral

sexta-feira, abril 15, 2005

nota: electricidade

o som eriçou-lhe os cabelos e levantou-lhe as pontas dos lábios, desenhando-lhe um pequeno sorriso de autosatisfação. estava pronto: com o pano de lã criteriosamente mandado fazer na aldeia ia carregar a bateria do automóvel apenas pela fricção do balão que tinha ligado aos bornes. ao final da tarde ainda lá estava, à espera da milagrosa faísca...

segunda-feira, abril 11, 2005

nota: tarde de verão

no pico do sol, deitados, troncos nus, na laje de granito, sentiam a face endurecer, batida pelo martelo do sol, esculturas de bronze. por dentro, os olhos fechados, cobriam o campo de visão em tom laranja vivo, carne. na hora de ir embora, a cabeça tinha o peso da pedra e, ao abrir dos olhos, o mundo um azul clarinho, como se tudo tivesse sido aguado a tinta escorrida do céu...

sexta-feira, abril 08, 2005

rima vi

contra a monotonia, convide a moça à sacristia.

nota: magia

descobriu, assombrado, como passar partes do corpo através da pelicula de sabão. ainda hoje, quando o faz, não consegue deixar de ver ali um qualquer truque de magia do universo.

quarta-feira, abril 06, 2005

nota: certezas

o homem perdeu as estribeiras, desceu do topo da sua altura e, olhando-a muito bem nos olhos perguntou-lhe:
- tens a certeza?
ela, resoluta, disse-lhe:
- tenho.
aí ele voltou para cima, arreganhou os dentes e bebeu tudo de um trago.

domingo, abril 03, 2005

nota: cavalos de pau

Um homem é definido, mais do que tudo, pelo cavalo de pau que dedicadamente cavalga. Muitos há que ao longo da vida vão saltando de cavalo em cavalo, outros mantêm-lhe um apego até ao último suspiro. No entanto, basta encostar o ombro em qualquer tronco de estrada, calmamente, e esperar: eles vão passando, a correr ou a passo, nariz arrebitado, muito concentrados do alto do seu equídeo de rodas. Não se esqueça é de, quando for hora de jantar, de montar o seu e seguir estrada abaixo para o merecido repasto...
[Apontamento] Tristam Shandy

sábado, abril 02, 2005

nota: V2


ela desconfiou um pouco quando dessa vez ele não se pôs a buzinar à porta como nos outros dias. o brinquedo novo, reluzente e silvando, foi comprado ao velho alemão do príncipio da rua e restaurado em segredo. naquele dia ele levá-la a lua e, mais tarde, ao céu...

sexta-feira, abril 01, 2005

nota: let's get lost

aquilo começou muito sub-repticiamente, à entrada do chuveiro, por um assobio. a melodia por ali andou, encostou-se aos azulejos, remirou-se no espelho. o rapaz, completamente inconsciente, lá tomou banho, vestiu-se e ela por ali, a passear. de repente apercebeu-se mas era tarde de mais. a investida final foi definitiva, quando saíu para a rua já ia a cantar

"let's get lost, lost in each others arms,
let's get lost, ..."
[Apontamento] Chet Baker