Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

domingo, fevereiro 20, 2005

nota: mensagem

"o homem-mensagem desceu de caiaque vindo da floresta. viu-o chegar já ao fim do dia, cansado de remar. já tinha ouvido falar desses homens, escolhidos para transportarem em si mensagens dos chefes tribais, sendo considerados por todos como intocáveis. depois de descer, vi-o fazer perguntas na margem; percebi que me procurava. tatuado nas costas, o texto era claro: devia partir até às próximas chuvas. olhei o rosto inexpressivo e pedi que o fizessem esperar, dando-lhe comida e dormida: dar-lhe-ia a minha resposta no dia seguinte. arrastei essa noite o velho tatuador da aldeia para a minha cabana e fi-lo escrever em mim a resposta. foi assim que no dia a seguir arranquei uma expressão de surpresa daquele sacana baixinho e, um mês mais tarde, do seu chefe. tinha-me tornado um homem-mensagem e logo, intocável. ahahah"
história recolhida na foz do Hui-Qui, 1903