Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

quarta-feira, dezembro 22, 2004

nota: norte

há uma agulha qualquer na cabeça de cada um que aponta um norte imaginário (pelo menos, é cá uma das minhas teorias, gostava de sublinhar antes de prosseguir). repara, o moço a maior parte das vezes anda para aí a apascentar nuvens de pensamentos, meio distraído com o mundo. depois passa ali ao lado das estantes dos livros, vê a rapariga e é um vê se te avias, desfaz-se o rebanho, acaba-se-lhe a paz, fica em alvoroço. logo, obviamente (este foi um "obviamente" que nunca percebi muito bem), foi a agulha que se desnorteou! eu já lhe recomendei que andasse com um calhau no bolso, para ver se flutuava menos, mas conhece-lo, gosta muito das suas nuvenzinhas. tenho de admitir, no entanto, que assim vai poupando na sola dos sapatos...