Atum Tenório

Sobre as coisas que para aí andam e nos caem à frente.

terça-feira, outubro 12, 2004

Nota: cabelo

Sentado no barbeiro via os cabelos cairem sobre a toalha e esperava a qualquer altura que se começassem a contorcer. Mas eles lá continuaram sossegados, sem sinal de rebelião...

3 Filetes:

At 1:30 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Os cabelos, decepados pela tesoura chilreante do homem, ainda tinham tempo de experimentar um breve espasmo. Aí, hirtos e tensos sentiam o deixar de sentir, os sucos vitais, carregados de nutrientes inuteis, cessavam a sua viagem rotineira de muitos meses. De repente, o inolvidavel momento esfuma-se. No chão, a morte, serena, anuncia uma nova etapa, do resto... e o resto sucumbirá também, pelo resto, que sucumbirá também, pelo resto, que sucumbirá também, pelo resto.....

Resto zero.

Está CERTO!

Aum

 
At 10:21 da manhã, Blogger Kyriu said...

atrás de cada vassoura vem uma pá e uma vontade. e se o cabelo é corrido sem vacilação do chão para fora, há um cérebro que pensa e que ordena. e para este cérebro também, algures, haverá uma pá e uma vassoura. no fim tudo converge, é questão de persistir.

 
At 9:25 da tarde, Anonymous Anónimo said...

um corte de cabelo e apenas a criacao de uma nova extremidade. no sentido contrario, a ponta pode ser a origem. o tamanho cresce da ponta para o interior. um corte de cabelo e apenas uma translacao duma origem. a a nao existencia do abaixo de zero deixa os nao-cabelos caem numa indefinicao.

 

Enviar um comentário

<< Home